08
Jul 10
publicado por aipotu, às 01:25link do post

Tenho seguido com particular atenção as edições diárias, em papel, do New York Times. Admito que o faço mais por via das minhas necessidades e responsabilidades profissionais do que por via de um estímulo pessoal que me leve a ler o periódico norte-americano.

 

Recentemente tive uma discussão mais ou menos acesa com um amigo com quem tenho o prazer de trabalhar e privar. Falávamos sobre o facto de a mais recente edição dos Pullitzer, os prémios mais prestigiados e importantes na área de jornalismo em todo o Mundo, terem distinguido em grande escala o jornal nova iorquino e também o Washington Post.

 

Discutíamos não só o facto óbvio de serem dois jornais norte-americanos, mas também a capacidade financeira dos dois órgãos, que contam, per si, com numerosos repórteres nos quatro cantos do Mundo. Para além de muitos, os dois jornais têm alguns dos melhores e mais conceituados jornalistas da actualidade.

 

De facto, analisando assim, é fácil entender que recebam, praticamente todos os anos, vários Pullitzers. Mas entendo agora a verdadeira razão pela qual são dois periódicos tão conceituados e premiados.

 

O Post é um jornal mais virado para a “Real Politic” norte-americana. Os seus destaques de capa, pelo menos o principal, é quase sempre um assunto relacionado com as intervenções bélicas norte-americanas, sendo, naturalmente, destacados os casos do Iraque e Afeganistão.Quando assim não é, normalmente “as gordas” apresentam informação sobre os mais importante assuntos a tratar na Casa Branca.

 

Já o NY Times é um jornal que apresenta, diariamente, duas edições em papel pagas, a de Nova Iorque e a global. E é precisamente aqui, na edição global do NY Times, que encontro o verdadeiro jornalismo.

 

Eles não são os melhores porque alguém se lembrou de assim os considerar. Não. Eles são os melhores porque simplesmente fazem jornalismo. Dão as chamadas noticias de Estado, aquelas que afectam a vida de todos e que todos devem querer saber, mas executam na perfeição o papel de jornalismo de cidadania, aquele que tem o poder de alertar a sociedade perante os factos mais alarmantes. Sim, estamos a falar do jornalismo cada vez mais esquecido em Portugal.

 

Alguém ainda se lembra da tragédia do Haiti? Pois bem, o NY Times trazia ontem em manchete um alerta para o facto existirem ainda mais de seis milhões de desalojados que vivem em miséria extrema. Diz o Times de Nova Iorque que se fala muito em ajuda humanitária às vitimas mas que os dados não enganam.

 

Isto é um apenas um exemplo dos vários e vários assuntos semelhantes que o NY Times aborda diariamente. Merecem cada prémio. Eu, embora seja apenas jornalista residual actualmente, consigo encontrar nestas abordagens jornalísticas felicidade e orgulho por um dia ter optado por esta profissão.

 

Merecem todos os prémios.


De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



arquivos
pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO